8 de fevereiro de 2011

Abismo ...


Levam-te as forças em meio tempo , e a dormência toma-te o corpo.
Perdem-se as razões no (curto) tempo que passou, desvanecem-se as convicções... sim, aquelas que gritas aos quatro ventos , durante uma vida inteira, e embandeiras em tua casa.
Palpita-te o coração , como se pisasses o ultimo grão de terra antes do abismo e o medo corresse atrás de ti. Queres correr, queres saltar para o outro lado e dar a volta ao mundo , mas aquele estado de latencia não to permite.
Queres gritar e mostrar ao mundo que ainda estás aqui , que ainda tens voto na matéria , mas ficam-te as palavras entaladas na garganta.
Num fechar de olhos, questionas-te se a morte chegou , talvez . não sei bem como , mas de certo uma parte de ti ficou para trás .

Mostrarás uma vez mais a fraca natureza humana, cederás uma vez mais ao coração , e amanhã quando acordares, já não serás tu .